No comments

COP Aiuká RJ reabilita e solta suas primeiras aves

05/12/17

Em novembro, a equipe do Centro Operacional Aiuká no Rio de Janeiro registrou as primeiras solturas desde setembro, mês que começou o trabalho de reabilitação de animais selvagens. Cinco pacientes foram liberados, quatro deles destinados pelo Projeto de Monitoramento de Impactos de Plataformas e Embarcações sobre a Avifauna (PMAVE), demonstrando que essa iniciativa contribui para resultados positivos por parte das empresas que atendem essa exigência do IBAMA. O PMAVE é utilizado na orientação das ações de resposta em caso de ocorrência de avifauna na área da plataforma e região de entorno.

Todos os animais liberados eram pertencentes ao grupo de aves: uma garça-vaqueira (Bubulcus ibis), um bobo-pequeno (Puffinus puffinus), dois tizius (Volatina jacarina) e um tuju (Lurocalis semitorquatus). Os tizius, o bobo-pequeno e a garça foram soltos no mesmo dia, em 11 de novembro, em Rio das Ostras, enquanto o tuju foi liberado em 15 de novembro, em Macaé.

A garça-vaqueira e o bobo-pequeno ganham destaque porque a primeira é uma espécie de ave muito sensível e, assim, são poucos os casos que registram sucesso em sua reabilitação.

Já o bobo-pequeno foi o primeiro paciente da história do COP Aiuká recuperado após as autorizações necessárias para o início do trabalho de reabilitação.

Saiba mais sobre a história de cada um deles:

02 17 - Puffinus (17)_previewO bobo-pequeno: Essa ave foi admitida para reabilitação em 21 de outubro depois de ter sido resgatado na Praia de Costa Azul, em Rio das Ostras. Estava magro, com anemia e hipotérmico, embora alerta. Os primeiros cuidados incluíram hidratação e alimentação por sonda. Logo, passou a se alimentar voluntariamente e, depois de 25 dias em reabilitação, foi liberado.

 

07 17 - Garça vaqueira (2)A garça-vaqueira: Ela foi avistada por um técnico de plataforma marítima de empresa que atende o Projeto de Monitoramento de Impactos de Plataformas e Embarcações sobre a Avifauna (PMAVE) e encaminhada ao COP Aiuká RJ para reabilitação. Os primeiros exames atestaram que estava magra, pouco ativa e desidratada. A melhora do seu quadro clínico ocorreu durante a reabilitação e sua soltura foi realizada pouco mais de 10 dez dias depois de seu ingresso.