Tartaruga marinha e gaivota são soltas em Praia Grande

18/05/2017

Hoje, uma tartaruga-verde (Chelonia mydas) e uma gaivota (Laurus dominicanus) voltaram ao ambiente marinho ao mar depois de reabilitadas pela equipe da Aiuká. A tartaruga foi resgatada em abril e apresentava quadro clínico estável, embora estivesse com fibropapilomatose, uma doença caracterizada pela presença de múltiplos tumores de pele e que afeta tartarugas de todas as espécies e, em especial, as verdes. Na Aiuká, o animal passou por procedimento para retirada dos tumores e, depois de recuperada, recebeu uma anilha (anel metálico), recurso que colabora com os estudos da espécie.

Veja o vídeo da soltura: https://youtu.be/2R_ktKyIYvY

Sitemenor Biometria da gaivota

    SitemenorProcedimento para retirada de papiloma da tartaruga

Aiuká oferece programa inédito de cursos

Entre junho e outubro deste ano, a Aiuká Consultoria em Soluções Ambientais oferecerá o programa de cursos “Aves dos polos aos trópicos: técnicas de estudo e observação”, uma iniciativa inédita e voltada para os interessados em observação de aves. O programa será ministrado em três módulos por cinco especialistas reconhecidos no Brasil e no exterior.

As informações estão detalhadas na página de cursos e treinamentos do site.

 

 

Depois de cirurgia, aves são liberadas na Serra do Mar

Um carcará (Caracara plancus) e um quiri-quiri (Falco sparverius) foram soltos na manhã do último dia 7 de março pelas equipes da Aiuká e do Grupamento Ambiental da Guarda Civil Municipal de Praia Grande no Parque Estadual da Serra do Mar. As aves estavam em reabilitação no Centro Operacional Aiuká (COP Aiuká SP) depois de terem passado por cirurgia na WildVet Clínica Veterinária, em São Paulo.

O carcará foi resgatado pelo Grupamento Ambiental da Guarda Civil Municipal de Praia Grande durante uma operação de retirada de submoradias irregulares construídas em área de preservação. A ave estava com as garras e as penas das asas cortadas, ação bem provavelmente realizada por uma pessoa que pretendia mantê-la em cativeiro. Além do tratamento apropriado, o carcará também foi treinado utilizando-se técnicas de falcoaria a fim de recuperar suas habilidades de voo.

Em dezembro do ano passado, o carcará passou por uma cirurgia de implante de penas na asa esquerda, realizada pelo médico veterinário André Grespan, da WildVet Clínica Veterinária, profissional parceiro da Aiuká. O procedimento foi realizado a fim de aumentar as chances de sucesso na soltura do carcará, uma vez que a muda forçada (retirar as penas cortadas a fim de estimular o crescimento de novas, alternativa ao implante) poderia aumentar o período de reabilitação e, assim, comprometer a sua liberação. “Quanto maior o tempo em cativeiro, menores são as chances de um animal silvestre se recuperar porque desenvolvem problemas secundários, como por exemplo escaras de apoio”, explica Valeria Ruoppolo, diretora da Aiuká.

As penas implantadas no carcará pertenciam a uma ave da mesma espécie, que também esteve em reabilitação na Aiuká por pouco mais de dois meses. Ela havia sido atingida por cinco projéteis do tipo chumbinho e, devido à impossibilidade de remoção dos objetos sem sequelas durante a cirurgia e a constatação de alto nível de contaminação pelo metal, decidiu-se pela sua eutanásia.

Já o quiri-quiri – um macho – também passou por cirurgia com o médico André Grespan. Ele tinha uma fratura na asa direita e ganhou um pino para fixar o osso, retirado depois da fixação. Chegou ao COP Aiuká SP em janeiro, junto com uma fêmea da mesma espécie resgatada com ele e que foi liberada em fevereiro. O quiri-quiri recuperado também fez treinamento de falcoaria como parte do programa de reabilitação.

No próximo domingo, dia 12, a soltura do carcará e do quiri-quiri será pauta de reportagem da edição do programa Domingo Espetacular, exibido às 19h30 pela Record TV.

Veja o vídeo de soltura das aves na página da Aiuká no Facebook –  facebook.com/aiukaconsultoria.

DSC_4149menor

Quiri-quiri sendo treinado em técnicas de falcoaria

DSC_4775menor

O carcará momentos antes da soltura

Coruja é resgatada com suspeita de trauma

07/03/2017

Em janeiro, uma coruja-buraqueira (Athene cunicularia) foi resgatada pela equipe da Aiuká Consultoria em Soluções Ambientais com suspeita de trauma após uma possível colisão. A ave permaneceu em reabilitação no COP Aiuká SP por quase 20 dias e, nesse período, recebeu medicação e alimentação apropriadas. Sua recuperação foi excelente e a soltura ocorreu próxima ao local do resgate. Antes de ser liberada, a coruja ganhou uma anilha, ou anel de identificação, procedimento que colabora com estudos relacionados à conservação da espécie.

A Aiuká atua no resgate e destinação de fauna que, acidentalmente, ocorre em áreas onde estão localizadas unidades de apoio e suporte às unidades marítimas. O objetivo desse serviço é socorrer animais debilitados e/ou contaminados com óleo ou outro produto similar e cuidar de sua reabilitação.

829705fd-7ff6-43a2-babf-ad1380e45919

A coruja logo após ingresso no COP Aiuká SP