Novas instalações no Rio de Janeiro

2016_rj

A Aiuká está implantando um novo Centro Operacional no estado do Rio de Janeiro, na Boca da Barra – Rio das Ostras. As novas instalações estão a 100 metros de distância da praia e ocupam uma área construída de 876m², distribuídas em salas para equipe técnica e diretoria, ambulatório, internação e oito recintos com solário. A área externa ainda conta com uma piscina de 10 mil litros. A nova base atenderá a expansão das atividades da empresa no Rio de Janeiro.

Em seu conjunto, a nova base apresenta infraestrutura apropriada à realização do processo de recebimento, manejo e reabilitação de fauna marinha oleada ou não.


O evento de inauguração teve a presença de parceiros e clientes do Rio de Janeiro e de São Paulo e foi marcado pelas homenagens ao Dr. Marcelo Alcindo de Barros Vaz Guimarães (in memoriam), Sra. Barbara Callahan e Sr. Curtiss J. Clumpner, profissionais dedicados à conservação da fauna selvagem. Os diretores da Aiuká – Claudia Nascimento, Rodolfo Silva e Valeria Ruoppolo – também deram seus depoimentos, bem como o Dr. Jeferson Pires, médico veterinário, biólogo, fundador e responsável pelo Centro Reabilitação de Animais Silvestres da Universidade Estácio de Sá (CRAS), instituição parceira da Aiuká.

6_menor7

Rodolfo Silva                                        Claudia Nascimento

52e416b9c-b522-4439-8840-e383aef5f746

Valeria Ruoppolo                Equipe reunida

Aiuká participa de lançamento de plano nacional

A Aiuká esteve presente no evento de lançamento do Plano Nacional de Ação de Emergência para Fauna Impactada por Óleo (PAE-Fauna) do IBAMA, que ocorreu em 6 de outubro de 2016, na sede do Ministério do Meio Ambiente, em Brasília (DF).

O PAE-Fauna dá as diretrizes de atuação das autoridades durante uma emergência ambiental e está acompanhado do Manual de Boas Práticas para o Manejo de Fauna Atingida pelo Óleo. Este último, fornece as diretrizes para o tratamento adequado da fauna durante emergências ambientais. O Mapeamento Ambiental para Resposta à Emergência no Mar (MAREM) também foi destaque e foi apresentado durante o evento ao Sr. José Sarney Filho, ministro do Meio Ambiente.
O MAREM é um banco de dados georreferenciado que permite análise detalhada da região eventualmente afetada por um derramamento de óleo. É composto pelas informações geradas pelos projetos de Proteção e Limpeza de Costa e o de Proteção à Fauna. O Projeto de Proteção à Fauna foi desenvolvido por um consórcio formado pela Aiuká e Witt|O’Briens Brasil, com a participação de especialistas nacionais e internacionais, considerados referências em temas de biologia e conservação da fauna brasileira.

Para maiores informações: 
www.marem-br.com.br/
www.ibama.gov.br/emergencias-ambientais/paefauna

 

Lancamento PPLC

Na foto, estão representantes da indústria de petróleo, gás e biocombustíveis, do governo e também das organizações responsáveis pela elaboração do PAE-Fauna e seus projetos. Valeria Ruoppolo, diretora da Aiuká, está ao centro (quarta pessoa, da direita para a esquerda).

Especialista internacional ministra atualização técnica

atualizacaoeric2O Dr. Eric Woehler ministrou uma atualização para as equipes da Aiuká e do Biopesca sobre o tema “Protocolos e técnicas para o monitoramento de aves”, no dia 29 de julho de 2016. O evento ocorreu na sede do Centro de Operações da Aiuká em Praia Grande (COP Aiuká SP) e abordou técnicas de monitoramento de aves marinhas, répteis e mamíferos em derrames de óleo. Dr. Eric é pesquisador do Institute of Marine and Antarctic Studies (IMAS) e da Bird Life Tasmania, além de professor da Universidade da Tasmânia, com mais de 30 anos de experiência em trabalhos a campo com aves e mamíferos marinhos.

 

Pacientes: Socó-boi é solto em área de proteção

Socó-boiDepois de quase duas semanas recebendo cuidados, um socó-boi baio (Botaurus pinnatus) que estava em reabilitação na Aiuká Consultoria em Soluções Ambientais foi solto em 8 de julho de 2016. Os primeiros exames sinalizaram uma possível fratura na asa, hipótese que não se confirmou com a evolução do seu quadro clínico.  No Centro de Operações da empresa, em Praia Grande, o socó ganhou peso – passou de 800 gramas para 1 quilo -, além de tratamento veterinário e um recinto apropriado, reproduzindo seu habitat.  A soltura ocorreu no Parque Municipal Piaçabuçu, área de proteção de Mata Atlântica em Praia Grande (SP).

O socó é uma ave aparentada às garças e costuma manter-se parado e escondido na vegetação alta, com o pescoço esticado e o bico voltado para cima. Essa posição favorece sua semelhança com um pau fincado nos ambientes alagados em que vive. Ele também imita os juncos quando balançados pelo vento, estratégia que dificulta sua visualização.